Li

Google+ Followers

domingo, 20 de julho de 2014

Menu de hoje: O Palhaço


Acabaram de perguntar uma sugestão de filme. Esse é um tipo de pergunta que eu amo responder. Amooooooooo!!!!! Qual a resposta?
O PALHAÇO "O Rato come queijo, o gato bebe leite e eu sou palhaço!" Essa frase é tudo e mais um pouco...

Hoje eu responderia isso, amanhã não sei... Esse filme combina com o dia de hoje, ensolarado! Ele é divertido, porém não te faz rir às gargalhadas. Serão risadas comedidas, mas que te farão refletir sobre mil coisas!!!!!!
Primeiramente, sobre a existência no sentido vocação. Quem nunca teve uma crise vocacional??? Eu mesma, antes de ter a certeza absoluta que nasci para ensinar meus pupilos a escrever, ler, encenar, recitar, declamar... Queria ter sido advogada (quero ainda fazer direito, mas apenas para uso próprio), pois é umas das facu mais úteis que já vi; porém, queria ter sido turismóloga também, até fiz dois anos de Turismo e Hotelaria, mas percebi que ser turista é bem mais agradável; também quis ser Marqueteira e fui por 365 dias na McDonald's Coorporation, mas trabalhava demais, corpo e mente cansados todos os dias, não dá! Ser professora cansa a mente, mas em compensação o corpo está sempre pronto para o outro dia.

Enfim, tive minha crise vocacional e mesmo depois de totalmente decidida, feliz e realizada (claro, que isso não inclui o salário); tive uma outra crise vocacional, em 2011. Havia sido convocada para dar aula a uma determinada turma, que chamavam de Projeto Piloto. Pela primeira vez na minha vida profissional (11 anos de magistério ou sacerdócio); fiquei tentada a desistir de pilotar essa carreira. Pedi pra sair! Negaram! Ainda bem, pois não teria essa história em meu portfólio profissional. Fiz concurso federal, passei em 25º entre 190 aprovados no Brasil, mas nunca me chamaram!!!! Tudo bem, nem queria mesmo (mentira!)
O importante é que sobrevivi aquele ano, juntamente com meus colegas de profissão, que sabem muito bem o que estou falando. ( Karine Wolff, Elaine Cristine, Mariangela Mattar, Carol, Fernanda Fernandes Cidral, Márcio João Silva Márcio Silva entre outros.) Essa turma ficará marcada para sempre em nossas memórias, pelo menos na minha.
Além do filme questionar escolhas profissionais e também amorosas, ele dá aquela sensação de que você nunca mais o esquecerá e o melhor de tudo, é que você nunca mais será o mesmo depois do filme. De repente, você perceberá que fazer escolhas é uma faca de dois gumes e que é extremamente humano errar! Todavia, o arrepender-se é melhor ainda, é uma sensação de gozo e choro ao mesmo tempo. Uma perfeita contradição, onde o circo é o templo do riso e das gargalhadas. O Palhaço é um filme moderno, que fala sobre uma temática épica, onde as lágrimas não são visíveis a olho nu; e ter um documento de identidade não é uma necessidade de sobrevivência, mas de afirmação: eu existo!
Lilian Flores